Pedagogia da Emergência é tema de formação de educadores



Palestra e oficinas sobre a  Pedagogia da Emergência envolveram 300 profissionais (professores, educadores, técnicos agrícolas, gestores, assistentes sociais e equipe técnica) da Fundhas (Fundação Hélio Augusto de Souza), ontem (2) no Cefe (Centro de Formação Educativa), na Avenida Olívio Gomes, 250, Santana, região norte.

 Esse conceito pedagógico permite aos profissionais o reconhecimento de situações especiais que podem comprometer o aprendizado e a sociabilização da criança e do adolescente. Os palestrantes apontaram características do trauma, como eles são formados até se transformarem em uma patologia e como o uso de recursos da pedagogia da emergência pode  auxiliar na resolução do problema.

Nas oficinas, as  atividades artísticas com metodologias diferenciadas foram apresentadas como forma de resgatar a autoestima, desenvolver a autoconfiança e proporcionar o equilíbrio emocional do aluno.

O educador Luiz Jacinto da Silva,  disse que o aprendizado mostrou que a Fundhas está no caminho certo na forma de atuar no dia a dia com as crianças e adolescentes. “Estamos fortalecendo o nosso conhecimento para ajudar a criança a trabalhar o lado positivo da vida”, disse.

Mesma observação feita pela professora Arlete Nogueira que também enfatizou a importância de que  a preocupação com os sentimentos da criança é o mais importante.

 A professora Ruth da Costa Souza desconhecia a Pedagogia da Emergência e aprovou o tema. “As crianças são mais vulneráveis do que os adultos quando a questão envolve traumas e nós profissionais precisamos estar preparados para podermos interferir e ajudá-las a perceber o que pode haver de positivo nas situações, sempre que precisarem”, acredita.

 A Instituição

 A Fundhas é mantida pela Prefeitura de  São José dos Campos e atende gratuitamente crianças e adolescentes, de 6 a 18 anos, que participam de atividades no contraturno escolar.







Fonte: Não Informou
 
[Voltar]   [Índice de Notícias]