Gente que Brilha como veterinária



A veterinária Lilian Helena Oliveira Garcia, de 32 anos, é daquelas pessoas que ama o que faz e   se emociona cada vez que fala do tempo em que participou dos projetos sociais da Fundhas (Fundação Hélio Augusto de Souza). Isso porque, além de  grandes oportunidades,  a Fundação deu a ela o que considera mais sagrado:  o seu marido Paulo, também ex-adolescente - com quem é casada há 17 anos  - e o pequeno Nicolas, de 3 anos, filho do casal. Ela divide o amor com a família e com os animais que cuida com muita dedicação em sua clínica veterinária, no Monte Castelo.

Aos 12 anos entrou para os projetos da unidade do Parque Industrial. Muito tímida, percebeu nas atividades complementares como  dança e eventos culturais a possibilidade de se desenvolver como pessoas e decidiu não perder nenhuma oportunidade. 

Na Fundhas fez os cursos de auxiliar administrativo e  técnico em informática  e no Cephas (Centro de Educação Profissional Hélio Augusto de Souza) cursou telecomunicações . Nesse período, como aprendiz, desenvolveu atividades na Gerdau, um período que considera muito importante por ter conhecido muitas pessoas e pela “oportunidade de estar em uma grande empresa”. 

“O cursos que fiz na Instituição ajudaram e  me ajudam ainda até hoje a ser empreendedora, pois tudo o que  aprendi nessas áreas me auxilia a administrar meu negócio”, ressalta.

Ela  acredita que a Fundhas  foi o caminho que abriu as portas para  viver em sociedade com segurança e reconhece o papel  da Instituição que, segundo ela, é perfeita,  pois além de encaminhar  os jovens ao mercado de trabalho, instiga dia a dia o crescimento pessoal e profissional de milhares deles.  Ela faz questão de dizer que até hoje cultiva a amizade com colegas e educadores. 

A paixão  pelos animais veio depois. Lilian cursou por um ano a faculdade de biologia até descobrir que o que desejava mesmo era ser veterinária. Durante anos de estudo se deslocou até São Paulo, em busca de seu sonho.

Para a veterinária, os estudantes devem aproveitar tudo que é oferecido pela Instituição. “Gostaria muito que existisse Fundhas em outras cidades, que vários parceiros intensificassem  a ajuda, assim como os governos porque esse sim é um projeto que forma cidadãos por meio da educação e com muito afeto envolvido”, opina emocionada.







Fonte: Não Informou
 
[Voltar]   [Índice de Notícias]